Lista_Mp3

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Reflexões Senid 2013

Bom antes de começar gostaria de deixar claro que para mim o evento foi ótimo e que me deixou muito inquieto, pois como professor em formação percebi que ''hackear a educação'' já passou a ser fundamental e não apenas uma proposta de mudança na forma de ensino-aprendizagem na prática docente.
Apesar de não ter participado de toda a programação do evento aproveitei ao máximo tudo que pude. Primeiramente na chegada nos reunimos para conhecer o campus da UPF, logo depois disso nos encaminhamos para as oficinas e começamos a participar ativamente do evento.

No dia 08/04 participei da apresentação do artigo Realidade Virtual e Ambientes Virtuais de Aprendizagens: um ambiente de apoio a Zona de Desenvolvimento Proximal no qual foi abordado o uso do Moodle e do Second Life para a melhora na qualidade de ensino buscando utilizar essas tecnologias chamadas AVA para que a educação acompanhe a evolução da sociedade que se torna cada vez mais digital. Nessa apresentação a professora Sirlei Koslowiski do IFF Farroupilha Campus Panambi nos apresentou o VirtualTche(http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/36133) desenvolvido por estudantes do Campus, o foco de tudo era alunos com deficiência, e o que pude esquematizar para simplificar tudo foi PROFESSOR>INTERAÇÃO<ALUNO. Ainda na mesma tarde assisti a apresentação do artigo Construção de Ambiente para Desenvolvimento de Jogos Educacionais Baseados em Interface de Gestos com Eduardo Ogasawara(CEFET-RJ)onde a ideia era utilizar o Kinect (Sensor de movimento e interface homem máquina) e o Greenfoot (Software para desenvolver jogos) visando estimular os alunos a programarem mais utilizando os jogos com atrativos , fazer com que eles percebam que os jogos poder trazer fins lucrativos para eles, todo esse processo "desbloqueia" a cabeça do aluno/programador tornando a programação algo prazeiroso. Já a palestra da noite não me identifiquei muito ficando meio afoito em vários momentos.

No dia 09/04 ocorreu o I Encontro das Licenciaturas em computação em Computação onde foi discutido o futuro da licenciatura nos próximos anos, recapitulado um pouco de suas história e as previsões para o futuro desse ótimo curso, ainda ocorreu um debate com coordenadores do PIBID de outros estados onde cada um contou suas experiências e expôs seus projetos para o grande grupo para que esse compartilhamento auxiliasse no aperfeiçoamento de cada programa em seu determinado local de atuação. Após essa discussão tivemos uma palestra com Ecivaldo Matos muito boa também. Já pela parte da noite teve uma brilhante palestra com Alexandre Oliva sobre software livre, gostei muito dos conceitos do apresentador que diz que para o hacker o "entender" é um orgasmo e que o hacker sente muito tesão pelo conhecimento. De fato concordei com ele quando disse que agora a ditadura não está no governo, mas sim implantada nos softwares que usamos e nem percebemos que somos controlados pelo sistema.

No dia 10/04 participei de uma oficina de robótica educativa muito bom confeccionamos uma lanterna de led muito legal, cuja atividade pode ser desenvolvida no PIBID além de tomarmos conhecimento de alguns applets que podem ser usados em sala de aula (https://sites.google.com/site/professorpifer/Home/fisica-mix/eletromagnetismo) gostei muito de tudo isso, mas o melhor veio na parte da tarde na oficina de Redes Sociais na Educação: Uso de grupos no Facebook como Espaço Digital de Aprendizagem onde aprendi muito gostei muito da oficina da apresentação de novos meios de uso para essa rede social, uma vídeo conferência bem proveitosa e para mim todos os momentos valeram a pena não me arrependo de ter participado e tenho a missão de buscar o aperfeiçoamento ao longo do curso. A palestra da noite não foi de meu agrado considerei uma ofensa as escolas.

Concluindo, passado o evento e parando pra pensar vejo que a Licenciatura em Computação vai crescer muito se cada um fizer sua parte e no futuro espero que seja tão valorizada quanto o direito e a medicina, gosto muito da licenciatura e pretendo fazer uma carreira nessa área, quanto ao PIBID o evento me auxiliou muito me deu novas ideias para encaixar no planejamento e mais do que isso FAZER ACONTECER e não mover apenas moinhos mas sim controlar a direção do vento.